Miguel Sousa Tavares para manter o "tasco" aberto 16/10/2019 10:26 Dragão até à Morte


    Notas:
    Obviamente, o administrador financeiro tem responsabilidades, desde logo porque não só não dá um murro na mesa, como é conivente, mantém-se no cargo. Mas não é Fernando Gomes que determina a gestão desportiva...

    Eh, pá, parece que temos um Iniesta no Olival. Se ele pedir a Lua, dêem-lhe a Lua...

    Portismo pago a peso de oiro 12/10/2019 10:07 Dragão até à Morte


    Remunerações da SAD em 2018: 2. 124. 505 euros.
    Remunerações da SAD em 2019: 3. 573. 892, sendo que 1. 407. 015 foram em variáveis.
    Numa SAD que quase sempre dá prejuízo; incumpriu o fair-play financeiro e por isso está sob a alçada da UEFA; e teve um resultado positivo de apenas 9,5 milhões num exercício em que fez mais de 80 milhões de receitas da Champions League, vendeu Felipe e Militão por 70 milhões e pela 1ª vez recebeu mais de 40 milhões pelos direitos televisivos, a administração da SAD, para além dos ordenados já de si bem apelativos, receber gratificações de 1.340.000 euros num ano em que não teve sucesso desportivo e nos últimos 6 anos ganhou um campeonato e uma supertaça, é uma grande falta de respeito pelos sócios e para mim é o fim da linha. Isto faz-me mal à saúde...
    Termino com uma frase de um amigo: "O rival goza à fartazana e deseja longa vida àquele a quem outrora desejava a morte..."

    Nota:
    Para que não restem dúvidas, este quadro foi retirado do Relatório e Contas Individual enviado à CMVM


    Relatório e Contas 2018-19 (três anos depois...) 11/10/2019 16:50 O Tribunal do Dragão

    Faz amanhã, 12 de outubro, três anos. Fernando Gomes, responsável financeiro da SAD do FC Porto, assumiu, mediante a apresentação de custos com pessoal de 75,8 milhões de euros, que era altura de «conter e tomar um novo rumo». A folha salarial atingiu custos incomportáveis para qualquer clube português e, sobretudo, para um clube que viria a ser visado pelo incumprimento do fair-play financeiro da UEFA. Por isso, foi altura de traçar um plano:

    Jornal O Jogo, 12-10-2016
    Fernando Gomes traçou e assumiu o plano e os objetivos. A folha salarial do FC Porto tinha ultrapassado os 75 milhões de euros. Era, por isso, intenção da SAD fazer com que ela fosse reduzida em 20 milhões de euros, passando o FC Porto a ter assim custos com pessoal na ordem dos 55 milhões de euros. «Três anos», foi o prazo traçado por Fernando Gomes e pela SAD. Cumpridos esses três anos, eis os resultados.

    Relatório e Contas da FC Porto, SAD, 2018-19
    A conclusão é óbvia. Não só a SAD não conseguiu reduzir a folha salarial em 20 milhões de euros como quase a conseguia aumentar nesse valor. Ao invés dos estimados 55 milhões de euros, o FC Porto fechou a época 2018-19 com custos com pessoal de 91,64 milhões de euros, os mais altos da história da SAD.

    Fernando Gomes, aqui citado pelo JN, tem uma justificação: «Deveu-se, sobretudo, a três situações. As rescisões de contrato com os jogadores Bueno e o Bazoer, ao ajustamento dos contratos pela conquista do campeonato da época passada e os prémios extraordinários face à passagem da fase de grupos da Liga dos Campeões».

    Portanto, rescindir o contrato de dois jogadores, um deles que até estava apenas emprestado, passar a fase de grupos da Liga dos Campeões (e a chegada aos quartos-de-final, certamente também considerada) e a revisão dos contratos pela conquista do Campeonato justificam este abismal aumento? Nada que surpreenda, tenho em conta que já tinha sido esta a linha de orientação de Fernando Gomes na apresentação das contas da época passada: ««Tínhamos previsto reduzir os Custos com Pessoal e eles subiram por uma questão muito simples: como fomos campeões nacionais, tivemos de pagar prémios ao plantel e à equipa técnica. Isso representou um encargo adicional de 6 milhões de euros, mas ainda bem que o tivemos». 

    Apresentar as contas da SAD portista aparenta ser uma das tarefas mais fáceis no universo financeiro. Não se cumprem metas ou objetivos? Ou se culpa o insucesso desportivo (a não-qualificação para a Champions terá o devido impacto na apresentação do orçamento 2019-20), ou culpa-se o sucesso desportivo («pagámos mais do que o previsto porque tivemos que pagar prémios»). Não esquecer que o FC Porto, à partida, prepara cada época a pensar em ser campeão nacional e em passar a fase de grupos da Liga dos Campeões. Chegar ao final da temporada e alegar a surpresa de ter que ter pago prémios por rendimento desportivo, quando este já estaria orçamentado, é um tanto ambíguo. 


    Aguardamos a publicação do Relatório e Contas completo da época 2018-19 para a devida e mais profunda análise. Ficam, para já, os principais tópicos dos Proveitos e Despesas Operacionais.

    No orçamento de 2018-19, a SAD estimava custos de 135 milhões de euros (sem incluir despesas com transações de passes). Os custos atingiram os 150 milhões de euros, essencialmente pelo aumento nas despesas com pessoal e por mais uma subida nos FSE. 

    Em relação aos Proveitos Operacionais, estamos perante os maiores da história da SAD, muito graças ao rendimento de Sérgio Conceição e dos jogadores na Liga dos Campeões 2018-19. O FC Porto estimava proveitos de 156 milhões de euros, mas os resultados atingiram os 176 milhões. Só as receitas na UEFA significaram um encaixe de 80 milhões de euros, mas o R&C apresenta uma alínea que não estava prevista no Orçamento: «Outras Prestações de Serviços», que acrescentaram 8,5 milhões de euros às contas. 

    Conforme esperado depois da boa campanha da Champions e das excelentes vendas de Felipe e Éder Militão, o FC Porto terminou a época financeira 2018-19 com lucro, que ascendeu a 9,47 milhões de euros (há um ano, a SAD estimava 1,5 milhões de lucro).

    O passivo e o ativo sofreram ambos reduções.  O ativo total líquido caiu em 52,75 milhões de euros, um pouco menos do que o passivo (-56 milhões), «que se situa agora nos 408,1 milhões, essencialmente devido à diminuição do valor global dos empréstimos», especifica a SAD. Este saldo significa capitais próprios negativos de 34,8 milhões de euros, o que mantém a SAD numa situação de falência técnica. A análise ao R&C será aprofundada quando o resultado completo for disponibilizado na CMVM.

    O F.C.Porto agora não liga puto ao que diz Rui Pedro Braz... 09/10/2019 15:47 Dragão até à Morte



    Ainda bem que agora, ao contrário do que acontecia no passado recente e menos recente e através dos seus canais de comunicação, o F.C.Porto mudou de estratégia, não liga puto ao que diz Rui Pedro Braz.
    De facto, só assim se compreende que depois de Rui Pedro Braz ontem ter dito e cito:"O único projecto desportivo e financeiro viável em Portugal, é o Benfica. F.C.Porto e Sporting vão ter de alienar a maioria do capital da SAD para sobreviver", isto é, ter colocado em causa a viabilidade da SAD do F.C.Porto, SAD cotada em bolsa, note-se, não haver qualquer tipo de reacção, é porque agora não faz sentido reagir, não se deve dar importância ao cartilheiro, vozes de burro não chegam ao céu, etc..
    Ou estarei enganado?


    Marchesín não é guarda-redes para um clube da dimensão do F.C.Porto, diz o Rivelino no chiqueiro da queimada 07/10/2019 21:39 Dragão até à Morte


    O rapaz chama-se Roberto Rivelino - falta-lhe apenas um L para ter nome de craque brasileiro, Roberto Rivellino - e apresenta-se como analista e comentador de guarda-redes no jornal A Bola, onde tem uma página.
    Ora, o Rivelino, já tinha notado e ontem tive a confirmação - ver clicando na foto -, não vai à bola com o guarda-redes do F.C.Porto. Mas se já é estranho que Agustín Marchesín, quase unanimemente considerado uma excelente guarda-redes e uma belíssima contratação, com exibições de grande qualidade ao serviço dos Dragões - não me lembro de um golo em que tenha sido mal batido, lembro-me de várias intervenções de elevadíssima exigência em que evitou claras oportunidades de golo -, não ser muito considerado por mais um teórico da bola armado em sabichão, ver Rivelino dizer, I, não é o guarda-redes que um clube da dimensão do F.C.Porto, precisa. II, vê-lo chegar ao desplante de acusar o internacional argentino de ter abordagens erradas e de alguma forma, culpa, nos dois golos do Portimonense - o 1º é um cruzamento para fora do seu raio de acção e uma cabeçada indefensável; o 2º é um pontapé feliz de Anzai e sem hipóteses para o guarda-redes portista -, é uma análise sem sentido, sem nenhum rigor e que diz muito sobre as capacidades do especialista. Isto para ser meiguinho, para não o acusar de má-fé e perseguição ao guartda-redes portista. Embora, atendendo ao jornal onde escreve não seja uma surpresa.

    Qualquer semelhança é pura coincidência
    Caixa de comentários

    Feyenoord 2 - F.C.Porto 0. Os sinais estavam à vista e eram óbvios 03/10/2019 22:14 Dragão até à Morte


    Frente a um Feyenoord durinho e que parecia ir  apenas ficar na expectativa, dar a iniciativa ao F.C.Porto e aproveitar os espaços para contra-atacar, os portistas que tiveram Manafá no lugar de Corona, em relação à equipa que iniciou o jogo em Vila do Conde - os outros foram Marchesín, Pepe, Marcano e Alex Telles, Danilo, Uribe, Otávio e Nakajima, Marega e Zé Luís -, até começaram por cima e a prometer - Nakajima teve o golo nos pés -, mas foi sol de pouca dura. Rapidamente os holandeses apoiados por um público vibrante, perceberam que do outro lado não estava nenhum papão, não se limitaram a ficar atrás, equilibraram, passaram a sair com propósito, chegaram várias vezes ao último terço do campo, criaram alguns lances de perigo, mas sem nenhuma consequência, o intervalo chegou com o nulo no marcador.
    Foi uma 1ª parte cinzenta de um Dragão pouco esclarecido e sem dinâmica, desligado, lento a pensar e executar, principalmente nos dois médios centro, um Dragão incapaz de se impor e superiorizar e que só foi perigoso em lances de bola parada.
    Resultado ao intervalo aceitava-se, mas quem viu o início do jogo por parte do F.C.Porto certamente esperava mais...

    Depois de uma 1ª parte não muito bem conseguida, esperava-se um Porto melhor na etapa complementar.
    Pois, mas logo no início um erro que já não se usa nem nos distritais de quase toda a defesa, com excepção do guarda-redes, permitiu à equipa orientada por Jaap Stam chegar à vantagem.  Vantagem que só não aumentou passado poucos minutos porque Marchesín fez uma grandíssima defesa. Depois do milagre do seu guarda-redes, o F.C.Porto reagiu, em mais um lance de bola parada bem delineado esteve perto do empate, Otávio à barra. E se os Dragões ameaçavam a resposta dos holandeses não se fez esperar e por duas vezes estiveram perto de aumentar a vantagem. Na reacção portista Marega aos 68 minutos falhou incrivelmente aquele que era o golo do empate, aos 73 naquela que foi uma das poucas jogadas com alguma qualidade do ataque do F.C.Porto, Luis Díaz - 53 minutos tinha substituído Nakajima. Mais tarde, minuto 62 Zé Luís deu o lugar a Soares e aos 81 minutos Danilo o lugar a Fábio Silva - atirou a barra.
    Quem não marca sujeita-se a sofrer e mais uma vez um erro inacreditável permitiu ao Feyenoord chegar ao 2-0 (*)
    Até final o F.C.Porto ainda tentou, mas falhou golos feitos - Soares com tudo para marcar não fez aquilo que parecia ser o mais fácil -, perdeu.

    Notas finais:
    O resultado penaliza demasiado o F.C.Porto, mas quem oferece golos e falha golos cantados, só pode queixar-se de si próprio. Mas se a equipa lutou até ao fim, é preciso mais qualidade de jogo.
    As coisas não saem com naturalidade, o jogo não flui e então se há pouco espaço tudo fica mais complicado, as soluções não aparecem, o F.C.Porto quase só cria perigo em lances de bola parada.
    Os sinais estavam à vista, eram óbvios, mas como se ia ganhando... pena que quem devia olhar para eles não o tenha feito.

    2º golo dos holandeses até me apetece dizer que teve a assinatura de Danilo. Não que o capitão do F.C.Porto tenha feito auto-golo, mas porque teve um comportamento inaceitável e não foi por errar o passe. Não, foi porque ficou parado a gesticular e a reclamar, vá lá saber-se porquê, abriu uma auto-estrada por onde entrou o marcador do golo.
    Mas Danilo não foi só isso. Não foi seis, não foi oito, não atacou, não defendeu, não foi rápido a executar, arrastou-se, não ajudou o jogo portista a fluir, foi sempre lento, trapalhão, pouco esclarecido. O capitão devia ter saído mais cedo. Aliás e isto pode ser polémico, mas para mim este Danilo neste momento não tem lugar na equipa do F.C.Porto. E foi já sem ele em campo e com Otávio no meio, que o F.C.Porto jogou melhor, conseguiu chegar rapidamente ao último terço, teve alguma qualidade de jogo.

    Que fique claro, não é Danilo o pai da derrota. Sim, porque quando se oferece um golo como o primeiro do Feyenoord, se falham vários golos cantados, quando a exibição é medíocre, as culpas têm de ser distribuídas por todos os que estiveram na banheira de Roterdão - excepto os adeptos que têm sido incansáveis no apoio. Apesar da qualidade do futebol apresentado pelo F.C.Porto deixar muito, mas mesmo muito a desejar, estar lá sempre é algo que merece ser realçado. Eles mereciam muito mais -, mas fica uma opinião para futuro. Não pode haver filhos e enteados.

    Nada está perdido, obviamente, mas é preciso jogar muito mais no futuro. Principalmente evitar dar estas abébias e não falhar golos cantados.
    Depois do jogo da Luz, naquela que foi a melhor exibição da época e uma das poucas que escapou à vulgaridade, esperava-se que nesta altura o F.C.Porto já fosse uma equipa mais consistente, não fosse este carrossel de mais baixos que altos. Que esta longa paragem sirva para uma reflexão profunda, no reatamento dos jogos oficiais apareça um Dragão melhor e mais equilibrado na qualidade exibicional.

    Sócios à bordoada na AG do SLB é um sinal de liberdade de expressão, diz o Guerra 01/10/2019 17:37 Dragão até à Morte


    Caracterização de Fernando Guerra, conhecido por Reco-Reco.
    Guerra está cara a cara com Luís Filipe Vieira. O presidente do Benfica, com um de taco de basebol na mão, aproxima-se do Reco-Reco e dá-lhe com o taco na mona. Guerra cai ao chão, fica meio tonto, mas rapidamente recupera. O que faz? Atira-se a Vieira para tirar desforço? Não. Levanta-se pega no computador e começa a teclar:
    Vieira é um ser humano fantástico, um homem bom e sempre pronto a dar a outra face. Como se isso fosse pouco, Vieira é um predestinado e um visionário, tem o toque de midas e é um gestor de excelência. Há Deus no céu e Vieira na terra. E se alguém disser que Vieira me deu com o taco na tola, é mentira! Fui eu que fui com a mona ao encontro do taco de Vieira - salvo seja!

    Dito isto, caracterizada a criatura, ninguém que leia o seu artigo poderá ficar surpreendido até onde vai a lata deste lambe traseiros para defender Luís Filipe Vieira. Mas só uma mente privilegiada e criativa é capaz de chegar ao ponto de dizer que um sinal de democraticidade e de liberdade de expressão que existe no Benfica, faz parte e desde sempre, nas Assembleias Gerais os sócios andarem a batatada ou bordoada, para usar a sua expressão.
    Mesmo alguém que já não fica surpreendido com nada que venha da parte deste Reco-Reco, não poderá deixar de ficar admirado com tanta desfaçatez.

    Duas notas finais:
    Um colunista adepto do Benfica fazer um artigo de página inteira a falar do Sporting e não dizer nadica di nada sobre a última AG do SLB, é extraordinário, genial e digno de registo.
    Bravo, António Bagão Félix. Ser sonso faz parte das características de um verdadeiro Papa-Hóstias.

    O silêncio da APAF e do Conselho de Arbitragem sobre o miserável ataque de que foi vítima o árbitro Tiago Martins, por parte do Benfica, continua insurdecedor. Mas também não deixa de ser curioso que até um menino querido e que, por exemplo, no importantíssimo jogo Braga - Benfica da época passada, beneficiou claramente o SLB, não seja poupado.
    É apenas a letra a dizer com a careta. Não se pode pedir que um clube presidido por um carroceiro tenha comportamentos diferentes.

    Rio Ave 0 - F.C.Porto 1. A 1ª parte foi razoável, da 2ª nem é bom falar... 29/09/2019 22:15 Dragão até à Morte


    De regresso a Vila do Conde onde na época passada perdeu todas as ilusões de ser bicampeão, o F.C.Porto venceu pela diferença mínima o Rio Ave. É uma vitória que acaba por ser justa, mas os portistas acabaram o jogo a ver jogar e a defender o resultado. Depois de uma 1ª parte razoável, uma 2ª que deixou muito, mas muito mesmo, a desejar por parte da equipa de Sérgio Conceição. Valeram os 3 pontos...

    Entrando com Marchesín, Corona, Pepe, Marcano e Alex Telles. Danilo e Uribe, Otávio, Marega, Zé Luís e Nakajima - no lugar que tem sido ocupado por Luis Díaz -, os azuis e brancos - hoje de amarelo -, chegaram ao intervalo a vencer com justiça por 1-0.
    Sem ser uma 1ª parte muito bem jogada por parte das duas equipas, o F.C.Porto esteve por cima, em particular quando a bola entrava entre-linhas e em Nakajima, mas nunca foi brilhante. Faltou ao conjunto da Invicta circular rápido e bem - tudo parece feito em esforço, não sai naturalmente -, clarividência para encontrar as melhores opções e materializar essa pequena superioridade em golos. Prova disso é que se é verdade que a bola andou mais perto da baliza do Rio Ave, também é verdade que oportunidades de golo claras, tirando a de Marega aos 2 minutos - redimiu-se aos 12 marcando o golo após canto de Alex Telles - não houve praticamente mais nenhuma.

    E se a 1ª parte foi apenas razoável, da 2ª é melhor nem falar... Tirando duas bolas no ferro de Alex Telles, mas em lances de bola parada e um remate de Zé Luís que o guarda-redes do Rio Ave defendeu superiormente, o F.C.Porto praticamente não fez mais nada. E se podemos dizer que também pouco permitiu ao adversário - com excepção do lance que terminou nas redes de Marchesín, mas que o VAR anulou por fora-de-jogo -, a uma equipa do F.C.Porto exige-se mais que passar os últimos 15/20 minutos finais apenas a defender. Nesse período foi um Dragão incapaz de ter bola, controlar o jogo, sair a jogar, fazer uma jogada com princípio, meio e fim, aproveitar os espaços que o Rio Ave na procura do empate foi dando, para matar o jogo.

    Nota final:
    Não tenho memória de ver um jogo em que o F.C.Porto tenha feito tantos passes para trás e para o guarda-redes como hoje. Marchesín é muito bom a jogar com os pés, dá tranquilidade, mas não convém abusar. O argentino não é infalível e um dia pode ter azar...


    A "seriedade" da Sport TV, mas não só... 24/09/2019 13:01 Dragão até à Morte


    Como se viu após o jogo de Portimão a Sport TV andou de lupa à caça de imagens para provar que a bola não bateu no braço, bateu no peito do jogador Jadson, não era penálti. Não acho que tenham provado nada, as imagens não são conclusivas, mas que andaram, andaram e com isso lá deram origem a mais um capítulo do Perdoa-me, algo que só acontece no futebol português quando o F.C.Porto é pretensamente beneficiado ou o SLB prejudicado. Mas no jogo entre Moreirense e Benfica, aí a quiduxa Sport TV nem o básico conseguiu mostrar - se no 1° golo do clube de todos os regimes, o lançamento de linha lateral foi bem ou mal decidido; se no início da jogada que terminou no 2° golo, Rúben Dias fez ou não falta sobre o avançado da equipa de Moreira de Cónegos.
    Este comportamento é recorrente, pena que o F.C.Porto não tome uma posição de força contra o operador que transmite a maioria dos jogos da Liga NOS.

    Porque isto está tudo ligado, o SLB, fiel aos seus princípios de apregoar o bem, mas fazer tudo para pressionar, confundir, coagir e condicionar, já começou a campanha contra a arbitragem. Também não surpreende, eles sempre foram assim e acreditar que este Benfica de Luís Filipe Vieira, feio, porco e mau, alguma vez vai mudar é acreditar no Pai Natal. Também não causa surpresa que os chiqueiros capturados e ao serviço do Benfica, aqueles que criticavam quando o F.C.Porto, cheio de razão, reclamava, agora zelosos como sempre, vaquinhas como sempre, lá se aprestem a fazer de câmara de eco e a extrapolar as queixinhas dos encarnados da Luz.

    Imagens à la carte
    As imagens que vazaram de Bruno Fernandes a pontapear as portas e a atirar miminhos a quem lhe apareceu pela frente, no túnel do Bessa, não são bonitas. Não estarei a dizer nenhuma asneira se disser que aposto, se fosse alguém do F.C.Porto a fazer aquilo já tinha caído o Carmo e a Trindade, a polémica era generalizada, o excelentíssimo doutor Meirim, presidente do CD, já tinha instaurado um processo disciplinar. Assim e até ver, só temos umas notícias, algumas curiosas, que dizem, mais coisa menos coisa, o capitão do Sporting encara a possibilidade processar quem divulgou as imagens comprometedoras.
    Este episódio é apenas mais um de imagens que vazaram e nessa matéria verdes e azuis têm razões de queixa, as imagens vazam à la carte. Um exemplo vem já a seguir...

    Recuemos no tempo, quando no mesmo local, houve uma enorme salgalhada e uma grande pouca vergonha, só que nessa ocasião as imagens não vazaram.
    Intervenientes, o árbitro Lucílio Baptista e o na altura jogador do Benfica, Rui Costa.

    Repare-se:
    «Rui Costa vs Lucilio Baptista após entrada no túnel:
    Rui Costa para o árbitro: "És um filho da puta…
    És sempre a mesma merda…
    Trazes a camisola vestida…
    Despe a camisola…filho da puta…boi."

    (este tipo de insultos foi também proferido pelo Petit, mas este quase sempre de costas para o árbitro)

    - Rui Costa segue Lucílio para uma zona próxima do balneário do árbitro e interpõe-se Manuel Barbosa.

    - O dirigente do Boavista diz: "Não estás em tua casa, aqui não fazes o que queres."
    Rui Costa responde: "Falas comigo quando falar contigo"…e afasta-o.

    - Entre empurrões chega a polícia.
    - Rui Costa afasta um agente da autoridade com um empurrão.
    - Continuam os insultos…

    - Um segurança do Boavista segura em Rui Costa e empurra-o para o balneário.
    O delegado da Liga, Braga da Cruz, que estava no local, assistiu a tudo.»

    Como vêem, a coisa não foi bonita... Castigos? Nada. O árbitro não fez qualquer referência no relatório e o delegado da Liga também num biu nem oubiu nada.

    O futebol português continua a ser um futebol de filho e enteados, onde onde as polémicas crescem ou nem existem ao sabor do interesse do mesmo, onde os destaques se dão ou não, também ao sabor do interesse do mesmo, onde imagens convenientes surgem ou não surgem, ainda ao sabor do interesse do mesmo, onde os lobos com pele de cordeiro são mais que muitos, onde os responsáveis da FPF e da Liga ficam quietinhos e caladinhos e até me atrevo a dizer: a rezar para que tudo corra bem ao SLB... porque assim ninguém os chateia. Eles sabem muito bem que neste futebol quando as coisas correm mal a este Benfica de Vieira, é uma gritaria sem fim, o futebol português pega fogo.

    Nota para o portismo:
    Já aqui disse e repeti, mas como há poucos dias voltou a ser tema de conversa entre Joana Amaral Dias e o Papa-Hóstias, Bagão Félix, aproveito para deixar aqui um nota dedicada ao portismo em geral e em particular àquele que tem acesso aos órgãos de comunicação social.
    - Meus amigos e minhas amigas, não permitam que uma mentira muitas vezes repetida, passe por ser verdade. Refiro-me ao facto de ser voz corrente entre alguns freteiros, recadeiros e cartilheiros ao serviço do SLB, que Jorge Nuno Pinto da Costa, quando do Apito Dourado, fugiu para Vigo para fugir à justiça. É mentira! O presidente do F.C.Porto à hora marcada apresentou-se no Tribunal de Gondomar, foi ouvido pelo juiz, foram decretadas as medidas de coacção, o processo seguiu os seus trâmites, terminou como sabemos, Pinto da Costa e F.C.Porto totalmente ilibados de todos os crimes. O presidente fugiu foi ao circo mediático que eles tinham montado, ao vexame e ao enxovalho público. Porque apesar de a acusação estar concluída, foi para isso que o queriam ir buscar a uma sexta-feira, mantê-lo preso durante o fim-de-semana para o levar a Tribunal na segunda. Foi isto que aconteceu, ponto final. Não deixem nunca mais passar a mentira.

    Nota final:
    O F.C.Porto inicia amanhã frente ao Santa Clara a sua participação na Taça da Liga. Obviamente, queremos ganhar, mas deixo aqui o meu pensamento repetido para esta prova: cumprindo os preceitos regulamentares - têm de estar na equipa que vai entrar em campo um número de jogadores, não sei qual, que estiveram na ficha do último jogo para o campeonato e pelos menos um? jogador formado localmente -, este jogo e esta prova, deviam servir para rodar os jogadores não utilizados ou com pouca utilização, lançamento de jovens. Não sei se cumpre os regulamentos, mas Diogo Costa, Saravia, Mbemba, Diogo Leite e Alex Telles ou Manafá, Loum e Bruno Costa, Romário Baró, Soares, Fábio Silva e Nakajima.

    Sucessão dinástica, Miguel Sousa Tavares?! Isso é que era bom...

    Taça da Liga, F.C.Porto 1 - Santa Clara 0. Uma vitória justíssima dos Dragões, com uma exibição, atendendo às circunstâncias - Diogo Costa, Manafá, Pepe, Diogo Leite e Alex Telles, Mbemba e Bruno Costa, Romário Baró, Fábio Silva, Soares e Nakajimamuitas alterações em relação àquela que é a equipa habitualmente titular -, acima das expectativas.

    Tirando os primeiros 20 minutos da 1ª parte em que o colectivo portista não funcionou bem e permitiu alguma ousadia aos açorianos, facto que deve ser encarado como natural, depois e em particular na etapa complementar, a equipa de Sérgio Conceição exibiu-se a um nível muito aceitável, teve bola, soube o que fazer com ela, faltou apenas melhor definição na zona de finalização para que a vitória não ficasse apenas na diferença mínima.

    Muito bem os menos utilizados e em particular Manafá, Mbemba, Diogo Leite - marcou o golo da vitória -, Bruno Costa e Nakajima - para mim o melhor em campo - com Romário Baró a alternar coisas muito boas com outras nem tanto. Diogo Costa teve uma ou outra hesitação nas bolas cruzadas e de Fábio Silva esperava um pouco mais.

    De lamentar uma entrada brutal e que merecia vermelho e não amarelo, de Fábio Cardoso - um anjinho sempre azarado e que até cai sozinho sempre que joga frente ao Benfica (AQUI) e uma fera quando tem pela frente o azul e branco - sobre Romário e que lesionou, provavelmente com gravidade o jogador do F.C.Porto.

    Disputou-se hoje também a 1ª jornada da Premier League International CUP, com o F.C.Porto B a ser goleado pelo Swansea por 5-1.
    É preciso dizer que os Dragões já venceram esta prova duas vezes, têm um prestígio que não pode ser desbaratado desta maneira. Na época passada foi mau, está está a começar muito mal, aliás na mesma linha do que tem acontecido no campeonato da 2ª Liga. Onde, recorde-se, na temporada anterior o espectro da descida pairou e esta as coisas vão pelo mesmo caminho.
    Há gente para fazer melhor, muitos dos jogadores que estão na equipa B são vencedores da Youth League, campeões europeus de sub-19. A história de 2018/2019 não pode repetir-se em 2019/2020.

    F.C.Porto 2 - Santa Clara 0. Peca por escassa a justíssima vitória dos Dragões 22/09/2019 22:41 Dragão até à Morte


    Depois da vitória sofrida e da exibição que não foi famosa frente aos suíços do Young Boys, o F.C.Porto, sem muito tempo para recuperar do desgaste do jogo de quinta-feira, tinha no Santa Clara mais um obstáculo difícil que precisava ultrapassar.
    De início com Marchesín, Corona, Pepe, Marcano e Manafá, Danilo e Uribe, Otávio, Marega, Zé Luís e Luis Díaz, apenas duas alterações em relação ao jogo anterior - Manafá no lugar Alex Telles e Zé Luís no de Soares -, o F.C.Porto conseguiu uma vitória natural e colocou provisoriamente ex-aequo no 1º lugar.

    Entrando forte e dominador, intenso e circulando com critério ora pela direita ora pela esquerda - apesar do início algo precipitado de Manafá, nem sempre feliz na hora de fazer opções - e com isso obrigando o Santa Clara a ter dificuldades em manter o rigor defensivo, apesar de defender com muitos, o F.C.Porto exibiu-se a bom nível, foi claramente superior, fez dois golos, Zé Luís aos 15 e auto-golo de César aos 41, chegou ao intervalo com uma vantagem que era justa e dava colorido a uma exibição de bom nível dos azuis e brancos.

    A perder por dois, os açorianos vieram mais atrevidos na segunda-parte, cedo Marchesín foi chamado a intervir. Ficou o aviso, a equipa de Sérgio Conceição não podia adormecer, apesar de ser compreensível algum abrandamento na intensidade e ritmo de jogo. Durou cerca de 20 minutos esse atrevimento do Santa Clara que mesmo sem criar uma oportunidade de golo, mostrou valor, deu uma ar da sua graça. A partir daí e pouco depois já com Nakajima no lugar de Luis Díaz - mais tarde entraram Mbemba e Soares para as saidas de Corona e Zé Luís -, os Dragões como que acordaram, pressionaram bem, não deixaram o adversário sair de trás, tiveram vários lances de golo iminente, mas que desperdiçaram de forma incrível, com Zé Luís a abusar no desperdício.
    Ate final não houve mais golos, o jogo chegou ao fim com o resultado em 2-0, vantagem justíssima, mas escassa, do F.C.Porto, que merecia mais golos.

    Notas finais:
    Foi um jogo sério, competente, mesmo quando não foi tão dominador e superior, o início da segunda-parte, os portistas nunca baixaram para níveis que mereçam grandes críticas.

    A diferença entre a qualidade do Young Boys e do Santa Clara é notória, mas hoje a equipa do F.C.Porto manteve sempre a organização, os equilíbrios, nunca deu grandes espaços, conseguiu ter bola, sair a jogar, nunca esteve em dificuldades.

    Já vi e revi o lance entre Uribe e Fábio Cardoso. Se é verdade que o braço do jogador do F.C.Porto tocou no sobrolho e feriu o jogador do Santa Clara, é mentira que o colombiano teve a intenção de atingir o português. Uribe e as imagens são claras, tem sempre os olhos na bola, Fábio vem por trás, há o toque. Como pode um jogador saltar com os braços colados ao corpo? Para o artista que faz o juízo final na Sport TV - de onde saiu esta ave rara, alguém que não consta ter sido árbitro com o mínimo de qualidade? - é penálti, Uribe foi negligente.
    Fico à espera do que vão dizer os outros analistas.
    O jogador do F.C.Porto só tem olhos para a bola, nem vê Fábio Cardoso chegar, toca-lhe sem querer, ele ficou a sangrar do sobrolho - local do corpo humano onde para fazer sangue tem de se bater forte e feio, porque não é uma parte sensível é uma parte dura! -, penálti e expulsão. OK, estou esclarecido. Ficou um penálti por marcar contra o F.C.Porto.
    Última hora:
    Já há ordens da administração da SAD, hoje todos os jogadores do FCP vão passar pelo hospital para lhes serem implantados olhos na nuca e ao mesmo tempo algo que os ajude a elevar com os braços junto ao corpo.
    Vão ficar como a foto mostra para evitar que no futuro possam ser acusados de atitudes intencionais e deliberadas.