Edgar Pinto diz-se inocente e remete alegadas suspeitas para anos pré-W52-FC Porto sapo.pt 21/10 - Quarta, às 22:16

    Edgar Pinto disse hoje estar inocente, após ter sido suspenso preventivamente pela União Ciclista Internacional (UCI) “por suspeitas de indícios de irregularidade no passaporte biológico”, antes de assinar pela W52-FC Porto, afirmando que as mesmas são “infundadas”.

    “Tendo sabido que a UCI tomou a decisão de me suspender da atividade [velocipédica], por suspeitas de indícios de irregularidade no passaporte biológico, venho garantir a minha inocência e a minha vontade de afastar essas suspeitas, que são infundadas, tratando-se de amostras obtidas durante os anos de 2015, 2016 e 2017, em alturas de grande sofrimento, nas quais fui sujeito a diversas intervenções cirúrgicas resultantes de várias quedas graves”, vinca em comunicado enviado à agência Lusa.

    O corredor de Albergaria-a-Velha precisa ainda que na base da suspensão estão “análises referentes a um período anterior” à sua contratação pela equipa W52-FC Porto, “que nada tem, por isso, a ver com este processo”, e onde deseja prosseguir a sua carreira, depois de provar a sua inocência.

    “Apelo a todos que respeitem tanto a mim como a minha família”, conclui na nota.

    Edgar Pinto está suspenso provisoriamente por "uso de métodos e/ou substâncias proibidas", segundo a lista atualizada de suspensões da UCI, hoje publicada.

    Nos anos referidos, o ciclista, de 35 anos, representou a Skydive Dubai (2015 e 2016) e a LA Alumínios-Metalusa (2017), tendo-se mudado para os ‘dragões’ apenas em 2019, quando foi quinto classificado na Volta a Portugal, na edição ganha pelo seu companheiro João Rodrigues.

    “A equipa W52-FC Porto tomou hoje conhecimento da suspensão preventiva do seu corredor Edgar Pinto. Os factos que estão na origem da investigação são todos eles anteriores à contratação do Edgar pela nossa equipa, contudo, aguardaremos o desfecho do processo, esperando que o corredor, que sempre teve, ao nosso serviço, um comportamento exemplar, possa provar a sua inocência e que continue a demonstrar o seu valor ao serviço da nossa equipa”, lê-se na nota enviada à Lusa pela formação ‘portista’ e assinada pelo seu presidente, Adriano Quintanilha.

    Edgar Pinto, que este ano falhou a edição especial da Volta a Portugal por lesão, tem uma carreira marcada por quedas graves.

    Esta temporada, o ciclista, que foi quarto na prova rainha do calendário nacional em 2013 e 2018, apenas completou a Volta ao Algarve, do calendário internacional, no 34.º lugar, tendo em 2019 um ano de maior projeção lá fora: foi quinto na Volta à Turquia, quarto na Volta às Astúrias, quinto na Volta a Aragão e 10.º na Volta à Dinamarca.

    O esclarecimento feito quanto aos anos sobre os quais incidem “as suspeitas de indícios de irregularidade no passaporte biológico” poderá dever-se ao caso de Raúl Alarcón, vencedor da Volta a Portugal em 2017 e 2018 e colega de equipa de Edgar Pinto na W52-FC Porto, que está também suspenso preventivamente por "uso de métodos e/ou substâncias proibidas".

    De acordo com as normas da UCI, a principal equipa nacional sujeitar-se-ia a ser suspensa por ter tido duas suspensões por doping no espaço de 12 meses – a suspensão de Alarcón foi anunciada precisamente há um ano.

    Conceição: "Depois do que vi hoje, peço desculpa a todos os árbitros e VAR de Portugal" sapo.pt 21/10 - Quarta, às 22:13

    Declarações de Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, após a derrota com o Manchester City. Técnico criticou a atuação do juiz lituano Andris Treimanis e do VAR Aleksandrs Golubevs, da Letónia.

    Arbitragem com influência no resultado? "Somos um país pioneiro no VAR... Depois do vi hoje peço desculpa a todos os árbitros e VAR de todo o país, porque se há país que é competente em relação ao que vi aqui, é Portugal. O primeiro golo do Manchester City, mesmo o lance da falta do Fábio Vieira do segundo golo do Manchester, não foi diferente de muitas que não apitou de forma igual. E há um penálti sobre o Pepe, as duas mãos do Cancelo nas costas. Fomos prejudicados, sentimos esses amargos na boa, porque tínhamos tudo para vencer aqui".

    Mudanças no onze e na estrutura: "A primeira palavra tem de ser para os jogadores. Mudámos a estrutura habitual, com alguns elementos recém-chegados, mas foi algo trabalhado por nós e, em termos estratégicos, sentimos que era importante anular alguns pontos fortes do City para depois explorar aquilo que fizemos muito bem na primeira parte. Se tivéssemos feito um segundo golo, na situação do Marega, acho que se justificava, porque o City não tinha conseguiu criar perigo na primeira parte. Aos 60' e poucos minutos, o jogo mudou, porque o City se apanhou em vantagem e isso dificultou a nossa tarefa."

    Mexidas na equipa no segundo tempo: "O Luís Díaz estava com limitações físicas, tivemos que mudar dois jogadores de posição: Manafá entrou para lateral e Corona foi para a esquerda. Depois fomos à procura de tentar reduzir a desvantagem no marcador. Ao contrário da frustração que senti em alguns momentos do jogo do campeonato [com o Sporting], neste senti um grande orgulho no que fez a equipa."

    Contas do grupo: "É o primeiro jogo da fase de grupos e estou convicto que vamos dar uma resposta positiva nos próximos jogos e temos uma palavra a dizer na passagem à fase seguinte."

    O FC Porto estreou-se, esta quarta-feira, com uma derrota no grupo C da Liga dos Campeões de futebol, ao perder em Inglaterra com o Manchester City por 3-1.

    Os 'dragões' ainda sonharam com uma surpresa, quando o colombiano Luis Diaz inaugurou o marcador, aos 14 minutos, mas a equipa na qual alinham Ruben Dias, João Cancelo e Bernardo Silva, todos titulares, igualou ainda na primeira metade, com um golo do argentino Kun Aguero, na conversão de uma grande penalidade, aos 20. O alemão Ilkay Gundogan, na cobrança de um livre direto, aos 65, e o espanhol Ferran Torres, aos 73, anotaram os golos que permitiram o triunfo da equipa inglesa.

    Com esta vitória, o City fecha a primeira jornada na frente do grupo C, com três pontos, os mesmos do Olympiacos, de Pedro Martins, que recebeu e venceu o Marselha, de André Villas-Boas, por 1-0, enquanto o FC Porto ocupa o último lugar sem pontos, igualado com os franceses.

    Conceição critica Guardiola: «Não disse palavras bonitas do nosso país e tive de lhe responder» Record 21/10 - Quarta, às 22:09

    Técnicos desentenderam-se no embate desta noite

    Sérgio Conceição: "Por aquilo que vi hoje, devo um pedido de desculpas a todos os árbitros de Portugal" Tribuna 21/10 - Quarta, às 21:57

    Depois da derrota do FC Porto frente ao Manchester City (3-1), Sérgio Conceição criticou a arbitragem, na flash interview da Eleven Sports

    FC Porto continua sem vitórias em Inglaterra, após 21 jogos sapo.pt 21/10 - Quarta, às 21:54

    O FC Porto deslocou-se hoje a Inglaterra pela 21.ª vez na sua história nas competições europeias de futebol, em dia de 400.º capítulo, e ainda

    Depois de sete jogos e mais de 640 minutos sem conseguir sequer qualquer golo, o conjunto ‘azul e branco’ ainda se adiantou no Etihad, perante o Manchester City, na estreia na Liga dos Campeões, mas, pela 18.ª vez, acabou derrotado.

    O colombiano Luis Díaz trouxe esperança aos portistas, com um golo aos 14 minutos, mas o argentino Sergio Agüero, aos 20, de grande penalidade, o alemão Gündogan, aos 65, de livre direto, e o espanhol Ferrán Torres, aos 73, selaram a reviravolta.

    Feitas as contas, o FC Porto soma agora três empates e 18 derrotas em 21 deslocações a Inglaterra, com 11 golos marcados e 54 sofridos. Sérgio Conceição queria acabar com o que chamou de ‘maldição’, mas ainda não foi desta.

    Em Inglaterra, os ‘dragões’ só não perderam em duas visitas a Old Trafford, face ao Manchester United, ao empatarem a um em 2003/04 e a dois em 2008/09, e uma em Anfield Road, onde empataram a zero em 2017/18.

    As primeiras seis visitas redundaram em outros tantos desaires, com Newcastle (0-1 em 1969/70), Wolverhampton (1-3 em 1974/75), Manchester United (2-5 em 1977/78 e 0-4 em 1996/97), Tottenham (1-3 em 1991/92) e Liverpool (0-2 em 2000/01).

    Em 2003/04, um golo de Costinha, em ‘cima’ dos 90 minutos, selou o primeiro empate (1-1), face ao Manchester United, que valeu o apuramento para os quartos de final da Liga dos Campeões, já que os ‘dragões’ haviam triunfado em casa por 2-1.

    Se hoje o FC Porto se pode queixar de que o penálti que deu origem ao 1-1 foi precedido de uma falta de Güngodan sobre Marchesín, então o United bem se pode queixar da anulação de um golo limpo a Scholes, que era o 2-0. Erros que ficam na história.

    Depois dessa igualdade, o FC Porto voltou aos desaires, somando mais cinco consecutivos, face a Chelsea (1-3 em 2004/05 e 1-2 em 2006/07), Arsenal (0-2 em 2006/07 e 0-4 em 2008/09) e Liverpool (1-4 em 2007/08).

    O segundo empate chegou em 2008/09, de novo em Old Trafford, face aos ‘red devils’, graças a mais um golo ‘tardio’, de Mariano González, aos 89 minutos, depois de Wayne Rooney e Carlos Tevez darem a volta ao tento inaugural de Cristián Rodríguez.

    Ao contrário do resultado de 2003/04, este acabou por nada valer, já que na segunda mão, no Dragão, um ‘golão’ de Cristiano Ronaldo, do ‘meio da rua’, qualificou os ingleses (0-1).

    Voltaram, depois, as derrotas, com Chelsea (0-1 em 2009/10 e 0-2 em 2015/16), Arsenal (0-5 em 2009/10), Manchester City (0-4 em 2011/12), e Leicester (0-1 em 2016/17).

    Em 2017/18, o FC Porto somou, sem marcar, o terceiro empate em solo inglês, nos ‘oitavos’ da ‘Champions’, embora depois de um 5-0 do Liverpool em pleno no Dragão. Em 2018/19, os ‘reds’ venceram por 2-0, nos ‘quartos’ – também ganharam no Porto (4-1).

    Sérgio Conceição: «Ao contrário da frustração de sábado, hoje senti orgulho» Record 21/10 - Quarta, às 21:47

    Técnico portista elogia forma como os seus pupilos se apresentaram

    Pepe: "O City tem jogadores muitos bons, não precisava tanto destas ajudas" sapo.pt 21/10 - Quarta, às 21:45

    Declarações de Pepe, defesa do Manchester City, , no final do jogo com o FC Porto.

    Resultado injusto? "Completamente injusto, completamente injusto. O Manchester City tem jogadores muitos bons, não precisava tanto destas ajudas. Tantas más decisões... Desta maneira custa ainda mais. Hoje, com a tecnologia que temos, que a UEFA tem... O VAR, não ter chamado a atenção do árbitro, acho que é inadmissível. Mas não temos de lamentar mais. Ele errou, errou o VAR"

    Critérios diferentes nas duas áreas: "Você sabe que estou a falar do lance do penálti, mas há o penálti sobre mim, acho que foi o Cancelo. Há também o segundo amarelo que devia ter mostrado ao Rodri, a falta do Fábio Vieira [lance do 2-1], que posso entender, mas havia que ver o que é este jogo. O árbitro não foi feliz".

    O FC Porto estreou-se, esta quarta-feira, com uma derrota no grupo C da Liga dos Campeões de futebol, ao perder em Inglaterra com o Manchester City por 3-1.

    Os 'dragões' ainda sonharam com uma surpresa, quando o colombiano Luis Diaz inaugurou o marcador, aos 14 minutos, mas a equipa na qual alinham Ruben Dias, João Cancelo e Bernardo Silva, todos titulares, igualou ainda na primeira metade, com um golo do argentino Kun Aguero, na conversão de uma grande penalidade, aos 20. O alemão Ilkay Gundogan, na cobrança de um livre direto, aos 65, e o espanhol Ferran Torres, aos 73, anotaram os golos que permitiram o triunfo da equipa inglesa.

    Com esta vitória, o City fecha a primeira jornada na frente do grupo C, com três pontos, os mesmos do Olympiacos, de Pedro Martins, que recebeu e venceu o Marselha, de André Villas-Boas, por 1-0, enquanto o FC Porto ocupa o último lugar sem pontos, igualado com os franceses.

    Sérgio Conceição: «Após o que vi hoje, peço desculpas a todos os árbitros e VAR de Portugal» Record 21/10 - Quarta, às 21:43

    Treinador do FC Porto critica duramente a arbitragem do encontro com o Man. City

    Lá em Casa Mando Eu adora contos de fadas como o de Nanu: dos Barreiros a fazer antijogo com Lito Vidigal para jogar na Champions com o City Tribuna 21/10 - Quarta, às 21:41

    O FC Porto perdeu em Manchester frente ao City (3-1), na estreia na Liga dos Campeões 2020/21, mas Catarina Pereira gostou da exibição dos portistas e, particularmente, de Mbemba: "Não o trocava por nenhum dos defesas do City, que, todos juntos, custaram mais do que o PIB do país do Mbemba"

    Pepe explosivo com arbitragem: «O VAR não chamar o árbitro é inadmissível» zerozero.pt 21/10 - Quarta, às 21:35

    O central do FC Porto não esteve com meias medidas, no rescaldo do jogo em Manchester contra o City, e criticou de forma veemente o trabalho da equipa de arbitragem, que considerou ter tido clara influência no resultado.