Balanço (10) 24/06/2018 23:10 És a nossa Fé

    imgS620I210810T20171218060146[1].jpg

     

     O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre BATTAGLIA:

     

    - Eu: «Mais: ganha intensidade e consistência quando avança no terreno. Menos: ineficaz como médio de contenção, desposicionando-se com facilidade.» (14 de Julho)

    - Edmundo Gonçalves: «Battaglia fez um excelente jogo. Será ele o sucessor de William, quase de certeza.» (23 de Julho)

    - Filipe Arede Nunes: «É grande reforço.» (11 de Agosto)

    - Pedro Azevedo: «O que se pode dizer mais sobre Battaglia? O homem não parece humano, é assim uma versão argentina do Exterminador Implacável, enviado a Alvalade para alterar o curso da história leonina.» (28 de Agosto)

    - Francisco Chaveiro Reis: «Battaglia nunca será um William.» (30 de Agosto)

    - José da Xã: «O Sporting acaba de perder Adrien, mas pelo que temos observado está a ser bem substituído por Battaglia.» (2 de Setembro)

    - JPT: «[Jorge Jesus desprezou] a formação do clube, muito devido à sua fixação no mercado futebolístico sul-americano, sempre uma lotaria na adaptação dos jogadores ao difícil futebol europeu. Exemplos disso são a contratação absurda de Battaglia, pelo qual se pagou uma fortuna, em dinheiro, passe de Esgaio e empréstimo de Jefferson, um jogador que o próprio Braga emprestara épocas a fio a clubes secundários.» (27 de Setembro)

    - José Navarro de Andrade: «Na Battaglia do meio-campo tivemos um problema do Carvalho.» (4 de Janeiro)

    - Francisco Vasconcelos: «Foi provavelmente o pior jogador em campo e ainda foi fazer um penalty desnecessário.» (4 de Janeiro)

    - Pedro Bello Moraes: «O Battaglia não mostrou já o valoroso que é a defender e a carregar jogo?» (2 de Março)

    - Duarte Fonseca: «Sei que no Sporting somos todos de modas e pródigos a criar jogadores fetiche e patinhos feios, e Bryan é claramente um patinho feio. Eu também nunca vou conseguir perdoar os falhanços de 15/16, mas isso não me tolda a capacidade de analisar a qualidade que empresta semanalmente à equipa. Do lado dos fetiches temos jogadores como Battaglia e Bruno Fernandes. Por razões diferentes, mas com denominadores comuns: as correrias desalmadas, a luta, a garra. Como se essas características, por si, significassem alguma coisa num jogador de futebol.» (13 de Abril)

    Faz hoje um ano 24/06/2018 23:03 És a nossa Fé

     

    O Sporting vencia a Taça Nacional de Juniores em futsal feminino. Na ginástica, Sílvia Saiote, Bruna Li e Maria João Estêvão conquistaram a Taça de Portugal em trampolim absoluto feminino. No atletismo, Catarina Karas sagrou-se campeã nacional juvenil no salto em comprimento.

    «Parabéns, leoas», escreveu aqui o Ricardo Roque nesse dia 25 de Junho de 2017. Expressando-se em nome de todos nós.

    A voz do leitor 24/06/2018 23:02 És a nossa Fé

    «Estive na mega-fila que se iniciava junto ao pavilhão de Portugal. Passei três horas até votar dos quais metade dentro do pavilhão. Escutei inenarráveis intervenções de apoiantes de BC. Saí depois de votar. Acabei de receber a confirmação de um sentimento que reforcei ao longo do dia: Bruno de Carvalho já não representava os sportinguistas há muito tempo e os sportinguistas ansiavam por lho poderem dizer da forma democrática, isto é, através do voto livre.»

     

    JG, neste meu texto

    Gosta de carros ? 24/06/2018 22:59 Camarote Leonino

     

    BMW-i8_Roadster-2019-1024-03.jpg

    Um dos carros mais caros do Mundo

    2019 BMW i8 Roadster - 200 mil dólares

     

    O homem do tremoço 24/06/2018 22:21 És a nossa Fé

     

    Quando vi Bruno de Carvalho regressar invectivando o "homem do tremoço" só me lembrei deste sketch dos Monty Python, Dennis Moore o ladrão de tremoceiros ... "Aquilo" está mesmo mal.

    O cemitério de Praga 24/06/2018 22:00 És a nossa Fé

    Votei, duas vezes, em Bruno de Carvalho. Confiei e defendi o seu trabalho, apesar da forma como, desde o primeiro dia em que surgiu nas cogitações dos sportinguistas, escolheu fazer a sua comunicação. Percebi, não hoje mas há uns meses, que cometi um erro. Um erro tremendo, grave do qual me penitencio.

    Importa começar por referir que Bruno de Carvalho não inaugurou um estilo, apenas o actualizou trazendo-o para o século XXI. O fundador deste modelo de gestão de uma instituição desportiva em Portugal foi Pinto da Costa há quase quarenta anos. Uma postura truculenta, belicosa, confrontacional. No fundo, uma concretização da milenar filosofia maniqueísta do "nós" (os bons) contra "eles" (os maus). Não que isso seja significativo para esta questão, mas a principal diferença entre um e outro é que Pinto da Costa ganhou muito. E, infelizmente, a única coisa que interessa a muita gente é ganhar!

    Esta lógica dicotómica é de um primitivismo absoluto. Daí que toda a construção discursiva de Bruno Carvalho seja muito básica. E, como como todos sabemos, uma narrativa mais simples tem maior capacidade de penetrar em todos os estratos culturais. Esse foi o aparente sucesso de Bruno de Carvalho num primeiro momento. Através de um discurso binário, populista, foi capaz de mobilizar milhares de sportinguistas. Fê-lo porque identificou inimigos (como se no futebol existissem inimigos!) ao clube: o Benfica; o Porto; a arbitragem; a Doyen; os ex-dirigentes; a fraude desportiva; os fundos.

    Num segundo momento, como se os inimigos externos não lhe chegassem (e por isso num texto anterior até falei de Bruno Carvalho como um D. Quixote), passou a encontrar os adversários dentro do Sporting: os jogadores da equipa de futebol; os treinadores da equipa de futebol; os sócios e adeptos que discordavam de si. Mas pior, criou um inimigo, mais ou menos imaterial (sendo que, apesar de tudo, em algumas circunstâncias o concretizou apresentando alguns nomes), místico, mágico que representaria uma oposição secreta, de interesses ocultos que procuraria prosseguir um interesse próprio e contrário ao clube. Para pessoas fracas de espírito, como se sabe, não há nada melhor do que uma boa - ou até má - teoria da conspiração. E, infelizmente, Bruno de Carvalho transformou a discussão pública em torno do Sporting numa enorme teoria da conspiração.

    Ora, é consabido que uma discussão colocada ao nível da teoria da conspiração não pode ter como resultado o esclarecimento daquele que acredita que há sempre uma mão atrás do arbusto. Por muitos e bons argumentos que sejam apresentados, parece haver uma tendência natural de alguns indivíduos para acreditar que há uma conspiração para os tramar. Neste caso, para tramar Bruno de Carvalho e a sua brilhante gestão. Podem até reconhecer (embora nem todos o façam) que o comportamento do ex-Presidente não era impoluto. Mas, ou acreditam numa regeneração do individuo (apesar de constantemente ele mentir, deturpar, falsear) ou afirmam que é ele ou o caos!

    A Assembleia Geral de ontem, ao contrário do que muitos vaticinaram, não nos trouxe a paz! Voltámos ao ponto de que nunca saímos depois da nomeação da Comissão de Fiscalização, ou seja, à argumentação e discussão jurídica. O nome do Sporting continuará a ser arrastado na lama e o clube continuará dividido. É a nossa sina, a autofagia como processo!

    Um dia - que neste momento não sou capaz de precisar - livrar-nos-emos de Bruno de Carvalho e do seu séquito de fanáticos. Até lá, a nossa atenção deveria recair nos motivos que levaram mais de 80% dos sócios a votar num mitómano. Sem esse exercício de catarse colectiva, corremos o risco de voltarmos a cair no mesmo erro!

    Por qué no te callas Bruno? 24/06/2018 21:35 És a nossa Fé

    “Não consigo mais sentir este Clube... Não sou mais do Sporting Clube de Portugal”. Bruno de Carvalho disse isto umas horas antes de insultar os novos corpos dirigentes, interinos, do Sporting Clube de Portugal e de se afirmar como candidato às eleições de Setembro. Pergunto: será que este homem pode continuar a brincar com uma instituição centenária? Nunca fui, por norma, grande defensor de medidas radicais como as expulsões e as suspensões, seja nos clubes, como nos partidos políticos ou nas associações, acredito que as pessoas devem ter sempre direito à sua defesa, à diferença e ao contraditório, mas este caso não se resolve de outra maneira.

     

    Bruno de Carvalho não pode mesmo ser candidato às próximas eleições, sob pena do circo se instalar definitivamente. Hoje mesmo disse que não era do Sporting. Isso, como se não bastasse tudo o resto (que uma auditoria forense poderá revelar brevemente), deveria bastar para que se tomasse essa decisão. Este homem não tem lugar no nosso clube. Pergunto também: Vale e Azevedo ainda é sócio do Carnide? Se ele quisesse poderia ser agora candidato à presidência daquela agremiação, nossa rival? Ninguém de bom senso - o que não abunda por aqueles lados, é certo - o permitiria. E nós, vamos permitir tamanha loucura? 

    Eu acho bem 24/06/2018 21:34 És a nossa Fé

    Diz que se vai recandidatar.

    Quero deixar claro que acho que sim, que se deve recandidatar.

    Será a melhor forma de ratificar o resultado da AG de ontem.

    Não creio que, a recandidatar-se, volte a ter a maioria dos votos e de uma vez se esclarecerá o que se quer para o Sporting.

    Todos sabem que apoiei, apesar das enormes reservas que aqui fui explicitando, o "consulado" do presidente ora deposto.

    Quero deixar expresso que apesar dos erros passados, dou o benefício da dúvida a Sousa Cintra. Há que, rapidamente, devolver a normalidade ao clube e Sousa Cintra conseguirá eventualmente agregar as hostes.

    Estou frontalmente contra quaisquer litígios que só farão com que as feridas não sarem, daí que a recandidatura de Bruno de Carvalho seja, na minha opinião, positiva nesta perspectiva. Por palavras cruas, para nos deixarmos de pruridos, há que "matar" de vez o fantasma.

    Esta declaração de intenções não quer dizer, mais uma vez, que passe um cheque em branco a quem hoje dirige o clube interinamente. Nunca o fiz, nunca o farei.

    Aguardarei serenamente pelas candidaturas, suas composições e respectivos programas e cá estarei para, na minha humilde perspectiva, tentar ver quem se apresenta em prol do Sporting e sem lastro radioactivo, que o que o Sporting menos precisa é de um regresso ao passado.

    Mais do que loucura é o pânico que o afronta 24/06/2018 21:31 Camarote Leonino

     

    Não é minha intenção abordar em profundidade nesta altura a mais recente insanidade do desprezível lunático e até acho que está a ser levantado excesso de alarido sobre a questão. Tudo isto se resume ao pânico que ele está a sentir pela expectativa, muito plausível, diga-se, de dias muito amargos que o esperam.

     

    Independente das ameaças de registo, a realidade é que ele tem de responder à nota de culpa da Comissão de Fiscalização, sobre a sua expulsão de sócio. Creio que essa sua resposta terá de ser dada até esta segunda-feira e, então, segue a decisão da Comissão face aos seus argumentos de defesa.

     

    Perante isto, não vale a pena estar a especular sobre seja o que for neste momento. Caso seja expulso de sócio, a sua anunciada candidatura torna-se num simples não assunto.

     

    ...e uma proposta 24/06/2018 20:33 És a nossa Fé

    Este anúncio de Bruno de Carvalho vem atrapalhar todo o trabalho da Comissão de Gestão - deve ser esse mesmo o seu objetivo. Seja esse trabalho a contratação de um treinador credível, seja sobretudo a resolução do problema (criado por Bruno de Carvalho) das rescisões dos jogadores. Nada disto será possível enquanto Bruno de Carvalho permanecer como uma sombra. O Sporting não pode estar refém de Bruno de Carvalho até Setembro. Na impossiblidade de uma interdição rápida, proponho à Mesa da Assembleia Geral ainda em exercício a convocação de uma nova assembleia geral, tendo como ponto único a expulsão definitiva e irrevogável de Bruno de Carvalho como sócio.